segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Audiência Pública reforça importância da Educação do Campo e da luta pela democracia no país

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) realizou dia 15 de setembro audiência pública sobre o direito à educação do campo. Reunindo representantes de movimentos sociais e educadores do campo, a iniciativa demarcou a importância da educação nas escolas em assentamentos e acampamentos, construindo um modelo educacional que compreenda as particularidades e necessidades dos povos camponeses, entre eles, lideranças do movimento das Escolas Famílias Agrícolas (EFAs).
Atualmente, o diagnóstico de educadores é que há um movimento de tentar reduzir ou até mesmo extinguir o papel de uma educação voltada aos interesses do campesinato. É o que aponta o professor Roberto Leher, reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). “Recentemente contabilizamos 40 mil escolas fechadas no país, muitas delas no campo. Há uma política óbvia de apagamento da memória de que existe educação no campo, e, em consequência, de quem reivindica um modo de vida que se confronta com o agronegócio”, disse.